21 de agosto de 2017

O fascínio do mar

O fascínio do mar. A dimensão a perder de vista. A sedução do desconhecido. O que está para além dos barcos e da distância. A autoridade com que reduz os continentes ao tamanho de ilhas. O temor que inspira, a atracção fatal que desperta. A passadeira de espuma branca que estende pelo areal. A fúria com que inunda o convés, desgasta rochedos, rejeita destroços. As ondas dóceis, como gotas frescas na palma da mão, lágrimas de ternura nos olhos das crianças. A cor, as cores com que se veste, azuis ou verdes, sempre sabendo a cristais de sal. A profundidade a que guarda os seus segredos, as cavernas onde acautela a sua intimidade. A imponência das vagas, o rugido tropical das calemas, o domínio das marés. O olhar indefeso das aves marinhas, pousadas no alto escarpado dos promontórios. O espanto de quem o vê pela primeira vez, vindo de longe. A paixão absoluta. O amor com que se lhe entrega a vida, a saudade com que se lhe morre nos braços.


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial